ARTES

DINAMIZAÇÃO E VALORIZAÇÃO DA HERANÇA IMATERIAL de "As Cantadeiras do Campo do Gerês", grupo de cantares de vozes polifónicas femeninas de herança ancestral, que culminou na gravação do espólio musical e com a presença no Festival Andanças em 2011.

PROJETOS EDUCATIVOS com uma forte componente artística, como o projecto de Educação Ambiental Criativa.

ENCONTROS DE ARTES, ECOLOGIA E RURALIDADES
O 1º encontro aconteceu em 2017, com o apoio da Junta de Freguesia e da Ass. dos Compartes do Campo do Gerês.

O 2º encontro teve lugar em 2019.

 

RESIDÊNCIAS DE CRIAÇÃO ARTÍSTICAS, as quais disponibilizam um espaço para artistas de diversas áreas que desejem desenvolver uma criação artística, inspirad@s pelas comunidades locais e/ou pela natureza envolvente, valorizando assim a riqueza desta zona e realçando o valor do património local. 

Rural Vivo!  incentiva a criação no cruzamento das Artes e Ruralidades, para intersectar diversas disciplinas artísticas (fotografia, dança, teatro, arquitetura, música, arte sonora, performance) com outras áreas de conhecimento, saberes populares e ancestrais específicos à Serra do Gerês (ecologia, agricultura, educação, botânica, biologia, geometria, geologia, geomancia).
 

Através da dinamização de Encontros e de um programa de Residências de Criação Artística pretende-se fomentar, preservar, valorizar e promover práticas de reflexão e relação entre múltiplas disciplinas artísticas com a cultura rural da Serra.
O objectivo é também de estimular e impulsionar o seguimento das diversas artes em grupos locais, de maneira a incorporar de maneira mais abrangente as Artes em geral na cultura popular rural.
 

O projeto “Rural Vivo!” vem colmatar uma real necessidade desta região de oferecer às novas gerações actividades artísticas que sejam construtivas na sua formação como ser integral, criativo e consciente da riqueza da sua região, e pretende contribuir para atrair e ajudar a fixar população jovem na Serra a partir de uma oferta cultural diversa e interessante, para combater o êxodo rural e a desertificação das aldeias. Pretende-se também dignificar e valorizar os saberes tradicionais, estimulando assim a continuidade nas novas gerações, actualizando esses saberes com ferramentas contemporâneas que permitam uma qualidade de vida digna no meio rural, focalizando na importância de cuidar o meio natural como forma de preservar a saúde do planeta e dos seus habitantes.  

RESIDÊNCIAS ANTERIORES A 2019

 

Gil Delindro, Bruta Gruta, 2014

Esta largometragem foi filmada durente o Outuno/Inverno de 2013 no Campo do Gerês pelo artista Gil Delindro. Foi premiada no Canadá.

"Filmed during 4 months of isolation in the north mountain region of Portugal, Bruta Gruta presents a personal and codified portrait, a film based on several dialogue recordings made with Yagui (fictional name for a shepard from Campo do Gerês village). This initial recordings were the psychological and geographical starting point for a narrative that evolves around symbolic granitic regions and topics such as death and animism. The subtle bridges between imagery and sound are a mapping of a particular human isolation, a very specific one that corresponds to this man timeless visions and topography. It could be everywhere, it could be anything, any time, but no, we are sure this is the place, the most specific of all places."

 

Cláudia Martinho, Passagem, 2017
Em residência no Campo do Gerês, desenvolveu uma arquitetura aural baseada na geometria do zome, uma estrutura em dupla espiral baseada na flor da vida, sinergética, sustentável, modulável, transportável e elaborada com materiais naturais. Este zome foi apresentado ao público como instalação sonora durante o evento Lisboa Soa (2017).